top of page

Centro Palmares participa de Seminário do MP para Discutir o Estatuto da Pessoa com Deficiência

Evento promovido pelo Ministério Público estadual busca fomentar conscientização e inclusão

Nesta quinta-feira, dia 6, o Ministério Público estadual realizou um seminário dedicado a discutir os avanços e desafios do Estatuto da Pessoa com Deficiência. O evento teve início com a palestra intitulada ‘Sistema Único de Assistência Social – SUAS’, proferida por Juliana Alves, analista técnica em Serviço Social do MP. Alves enfatizou que embora a lei esteja em vigor, nem todos os serviços e direitos previstos estão disponíveis para as pessoas com deficiência. Justiça Maria Pilar Menezes, promotora, salientou a necessidade de avanços significativos para que as pessoas com deficiência possam exercer sua cidadania de maneira plena.


Fotos: Sérgio Figueiredo



O evento, que contou com a participação de Danilo Moura e Tatiane Souza do Centro Palmares, abordou a política nacional de assistência social e o SUAS, Tatiane ressaltou a importância da proteção social e reconhecer os riscos e vulnerabilidades sociais enfrentados pelas famílias.


Na mesa de abertura do evento estiveram presentes os promotores de Justiça Edvaldo Vivas, coordenador do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (Caodh); Fernando Gaburri; Andréa Borges; e Ana Rita Cerqueira. O promotor Edvaldo Vivas enfatizou os desafios enfrentados para garantir a autonomia e acessibilidade das pessoas com deficiência e destacou os esforços do Ministério Público para qualificar-se e equipar-se nessa missão.


O evento também abordou temas como 'Acessibilidade e Tecnologia Assistiva', apresentado pela pedagoga Fernanda Gutierres, que explorou estratégias para promover a funcionalidade e inclusão social de pessoas com deficiência, e 'Empreender é com Elas', conduzida pela psicopedagoga Daiane Sousa. Esta última apresentou um projeto lançado pela Secretaria Municipal de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esporte e Lazer (Sempre) em março, visando valorizar e acolher mulheres com deficiência e mães de pessoas com deficiência por meio de projetos e oficinas que potencializam suas habilidades. A promotora de Justiça Andréa Borges destacou a importância dessas iniciativas em tempos de mudanças de conceitos e barreiras, ressaltando o compromisso com a busca pela inclusão.

0 visualização0 comentário

Comentários


bottom of page